sexta-feira, 29 de março de 2013

A deusa Brigit


BRIGIT
Deusa da lareira, da poesia, cura e metalurgia. 

Fonte: "She drums"

“A casa do inverno é escura, cortando com sua agudeza; mas no dia de Brigid, a primavera se aproxima de nós na Irlanda.”

                Esse texto foi definitivamente um dos mais difíceis de ser escrito, não pela falta de fontes ou pela complexidade do material que temos sobre essa deusa, mas pelo fato da maioria das coisas que podemos dizer sobre ela vir diretamente de fontes cristãs, onde sua imagem foi supostamente substituída pela Santa Brígida. Apesar de muitos atributos e características serem similares aos que a deusa outrora possuía – ou pelo menos, aos que se acreditava que a deusa tinha – nem sempre podemos dizer que tudo na Santa Brígida tenha incontestavelmente a origem na deusa Brigit pelo simples fato de termos pouco material sobre a deusa em si dentro da mitologia irlandesa, ou até mesmo na mitologia escocesa, onde ela tem um papel um pouco mais proeminente (sendo protagonista em um conto folclórico como veremos mais adiante), visto que na Irlanda ela apenas aparece em uma citação no Glossário de Cormac1 e em uma rápida passagem no mito da Segunda Batalha de Moytura2. Consequentemente, devemos ter um pouco de cautela ao se aproximarmos dessas duas personalidades – a deusa e a santa, e pela escassez de materiais que temos sobre a deusa Brigit pré-cristã, não podemos cair na tentação e no erro de reconstruir a imagem e os atributos de uma deusa baseando-nos nos atributos e características de uma santa, por mais que suas supostas similaridades sejam maiores que suas diferenças. Sendo assim, o motivo secundário desse texto é traçar um panorama seguro sobre o que realmente sabemos sobre essa deusa, comparando com as evidências cristãs e com a interpretação de alguns estudiosos modernos; por todo o texto, vou fazer diferenciações entre a deusa e a santa para que possa ficar mais claro quais papeis eram atribuídos a quem, e com isso, vou chamá-las aqui de: a deusa Brigit irlandesa, a santa irlandesa e a santa escocesa, a fim de estudo e maior entendimento.

A Morte de Ruadan


A Morte de Ruadan

 Nas vésperas da Batalha de Moytura, os Fomoire para observarem o que os Tuatha Dé estavam tramando, enviaram Ruadan – filho de Brés e Brigit -, pois ele era filho e neto de uns dos Tuatha Dé, e, portanto, eles não perceberiam. Ruadan relata para os Fomoire o trabalho dos três homens de arte: Goibniu, Luchtaine e Credne, contando também que se alguns dos guerreiros forem feridos em batalha, eles recuperariam sua saúde no Poço que os curandeiros fizeram.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Feliz Latha na Cailleach!

 Abaixo, um ritual para vocês celebrarem o Latha na Cailleach (o Dia de Cailleach). Foi feito pensando em um grupo, mas você pode adaptá-lo se celebrar sozinho. Clique aqui para ver o arquivo. Feliz Latha na Cailleach!

terça-feira, 19 de março de 2013

A Segunda Batalha de Magh Tuired


A Segunda Batalha de Magh Tuired

 Após Nuada perder seu braço na Primeira Batalha de Magh Tuired, Brés assume o reinado da Irlanda e se torna um rei tirando. Os grandes Deuses como Ogma e Dagda são reduzidos a escravos, a serviço de Bres. Ficou uma situação insuportável para todos os Deuses, e o conflito teve seu pico quando o poeta Cairpre visita Brés e é maltratado por ele. Os Tuatha Dé então se reúnem com Bres, pedindo-lhe para que a situação melhore, e Brés pede por mais sete anos de reinado, dizendo que faria com que as coisas melhorassem.

A Chegada dos Tuatha Dé Danann


A Chegada dos Tuatha Dé Danann

 Antes de chegarem na Irlanda, os Tuatha Dé Danann – uma tribo de deuses formidáveis associados às artes e ao conhecimento – viviam nas Ilhas ao norte do mundo. Lá, eles aprendiam com os mestres das quatro ilhas as artes, a magia e a feitiçaria. Na ilha de Falias, o feiticeiro-chefe era Morfesa, e de lá veio a Pedra de Fál, que agora está em Tara.

O Dagda e Ní Indech


O Dagda e Ní Indech

 Após a visita do Dagda ao território dos Fomoire, ele caminhava em direção à praia de Eba, com sua grande barriga devido ao fato dele comer aquela grande quantidade de mingau que havia sido preparada para Ele. O Dagda mal conseguia andar. Conforme andava, ele viu vindo em sua direção uma linda jovem com belas tranças.

A Clava Mágica do Dagda


A Clava Mágica do Dagda                            

 Cermait Milbél, um dos filhos do Dagda, foi morto pelo deus Lugh em um combate, pois Cermait se deitou com a esposa de Lugh: Buach, filha de Daire Donn. Com seu grande conhecimento, o sábio Dagda espalhou franco-incenso, mirra e outras ervas pelo corpo de Cermait e o pegou em suas costas, caminhando para o Leste do Mundo a fim de encontrar uma cura para seu filho.

O Dagda perde o Brugh na Boinne


O Dagda perde o Brugh na Boinne

 Quando os Filhos de Mil tomaram a Irlanda na Batalha de Tailtiu, os Tuatha Dé Danann tiveram que fugir para dentro das colinas, e o Dagda, como seu Rei, dividiu as terras entre eles. Os três grandes Deuses: Lugh ficou com Sidh Rodrubán, Ogma ficou com Sidh Aircelltraí e o Dagda ficou com Sidh Leithet Lachtmaige, Oí Asíd, Cnoc Báine, Brú Ruair e Sidh in Broga. Os Tuatha Dé Danann ficaram furiosos com a conquista dos Filhos de Mil, e por isso, destruíam suas colheitas e azedavam o leite de suas vacas.

Ainge e Gaible


Ainge e Gaible

 Devido a uma goteira que acontecia em sua casa quando a maré estava alta, o Dagda fez para sua filha Ainge um grande barril de madeira, para que o barril não deixasse cair uma única gota no chão, porém, Ainge não ficou satisfeita com o barril que seu pai preparou para ela. Ainge então recolheu um feixe de galhos de cada tipo de árvore para fazer um barril para ela mesma, mas Gaible o Pálido, filho do deus Nuada (ou em alguns casos, de Ethedeon), quem amava muito Ainge, roubou os galhos e arremessou longe. No lugar onde os galhos caíram, cresceu uma linda floresta conhecida como “Floresta de Gaible”.

Fontes: GREGORY, Lady. “Gods and Fighting Men”, 1904. “Os Métricos Dindshenchas, Volume II”, traduzido e publicado por Edward Gwynn.

A Morte de Aed


A Morte de Aed

 Uma vez, Corrgenn, um grande homem de Connacht, e sua esposa foram visitar o Dagda. Chegando lá, Corrgenn percebeu que havia algo entre sua esposa e Aed, o filho do Dagda. Ficando com muita raiva e ciúmes, Corrgenn foi para cima de Aed e o matou na frente do Dagda.

A morte de Cridenbél


A Morte de Cridenbél

 Quando o deus Brés assumiu o reinado da Irlanda ele se tornou um tirano, permitindo que os três reis Fomoire, Elatha, Tethra e Indech, colocassem um imposto na Irlanda, para que não saísse fumaça das chaminés. Em seu reinado, os Grandes Deuses Ogma e Dagda foram reduzidos à escravos:

O Dagda e a Morrígan


O Dagda e a Morrígan

 Uma semana antes de Samhain, o Dagda foi até sua casa em Glenn Etin, ao Norte da Irlanda, e lá se encontrou com uma mulher com nove tranças. O rio Unius de Connaught rugia ao sul do lugar. A mulher estava então se banhando no rio, com um pé em Allod Echae, no sul das águas, e o outro em Loscuinn, no norte das águas. A mulher que o Dagda se encontrou era a Terrível Morrígan.

A Visita do Dagda aos Fomoire


A Visita do Dagda aos Fomoire

 O deus Lugh enviou o poderoso deus Dagda para espionar os Fomoire nas Vésperas da Batalha de Moytura, a fim de atrasá-los até os Homens da Irlanda chegarem para a Batalha. Quando o Dagda chegou lá, ele pediu por uma trégua, e lhe foi dada. Os Fomoire então, com o objetivo de zombar Dele, resolveram fazer um grande mingau para o Dagda, pois todos sabiam do amor do Dele por mingau.

O Nascimento de Óengus


O Nascimento de Óengus

 O deus Elcmar do Brugh na Boinne tinha como a esposa a deusa Boann, também conhecida como Eithne. Boann era uma deusa de excelente beleza, e o poderoso Dagda quando a viu, quis ter uma união carnal com ela. Boann, no entanto, recusou, temendo o grande poder de seu marido Elcmar.