sábado, 29 de setembro de 2012

Um pouco das lendas de Mann...

Extraído do livro Manx Fairy Tales de Sophia Morrison. Capítulo 1, "Eles". Boa leitura!
-

ELES

I

Uma vez, havia um homem na Ilha de Mann que se encontrou com um dos Pequenos Companheiros, que lhe disse que se ele fosse até a Ponte de Londres e cavasse, ele encontraria uma fortuna. Então ele foi até lá, e quando começou a cavar, outro homem veio até ele e disse:

‘O que está fazendo?’

‘Um Deles me disse para vir até a Ponte de Londres e eu conseguiria uma fortuna,’ disse ele. E o outro homem disse:

‘Eu sonhei que estava em uma pequena ilha, em uma casa com um pilriteiro na chaminé dela, e se eu cavasse lá, eu encontraria uma fortuna. Mas eu não vou, pois isso são apenas bobagens.’

Então, ele explicou sobre a casa, e o primeiro homem sabia que a casa era sua própria casa, e então voltou para a Ilha. Quando ele chegou, ele começou a cavar debaixo do pilriteiro na chaminé e encontrou uma caixa de ferro. Ele abriu a caixa que estava cheia de ouro, e havia também uma carta nela, porém ele não leu pois estava em uma linguagem estranha. Então, ele a colocou na janela e desafiou todo estudioso que passava por ela a ler. Nenhum deles sabia, mas por último, um menino grande disse que estava em latim, e significava:

‘Cave de novo e você encontrará novamente.’

Então o homem cavou novamente debaixo do pilriteiro e encontrou outra caixa de ferro cheia de ouro!

Daquele dia até o dia de sua morte, aquele homem costumava abrir a porta da frente antes de ir para cama, e gritava: ‘Minha bênção com os Pequenos Companheiros!’

II

Aqui está uma verdadeira história que foi contada a mim por um homem chamado James Moore quando eu estava sentada com ele no fogo, em uma noite. Ele disse:

‘Não acredito muito nessas histórias que umas pessoas contam, mas, uma pessoa não acredita em uma coisa a menos que ela mesmo veja.’

‘Eu lembro uma noite de inverno – nós morávamos em uma casa em uma época que tinha sido destruída para a construção da Grande Roda. Era uma casa de palha com dois cômodos, e uma parede de seis pés dividindo-os, e de lá de cima, os tufos serviam como teto. Minha mãe estava sentada ocupada no fogo, fiando; e meu pai, sentado em uma grande cadeira no fim da mesa lendo um capítulo da Bíblia de Mann para nós. Meu irmão estava ocupado enrolando um carretel e eu estava trabalhando com um feixe de urze, tentando fazer dois ou três tacos.

‘Haverá uma terrível tempestade essa noite,’ minha Mãe disse, olhando para o fogo. ‘E a chuva descerá pela chaminé!’

‘Sim,’ meu Pai disse, fechando a Bíblia, ‘e é melhor irmos para a cama cedo e deixar para os Pequenos Companheiros um pouco de abrigo.’

Então todos nos preparamos e fomos para a cama.

Uma hora da noite meu irmão me acordou: ‘Shhh! Escute menino, e olhe para a grande luz que está na cozinha!’

Então ele esfregou os olhos um pouco e sussurrou: ‘O que minha mãe está fazendo essa hora?’

‘Escute!’ eu disse, ‘e você escutará nossa mãe na cama, pois não é ela; deve ser os Pequenos que estão mexendo na roda!’

Nós dois ficamos com medo, e abaixamos nossas cabeças debaixo das roupas e dormimos. Pela manhã quando acordamos, nós dissemos aos nosso pais o que nós vimos.

‘Aw, gosto bastante, gosto bastante,’ meu Pai disse, olhando para a Roda. ‘Parece que sua mãe se esqueceu de algo noite passada, uma coisa que uma pessoa deve ser cuidadosa, pois está dando à Eles poder sobre a Roda, e apesar de ser bom, a fiação que eles fizeram não é algo para se vangloriar. O tecelão está sempre gritando sobre seu trabalho quando eles estão fazendo rolos.’

‘Eu me lembro dessa grande luz como se fosse ontem, e o zumbido que acontecia. E deixem dizer o que quiserem, mas esta é uma coisa que eu mesmo vi e escutei.’

III

Uma noite, um jovem homem que estava servindo seu tempo como um tecelão estava indo para casa tarde da noite, de Douglas até Glen Meay. Ele frequentemente se vangloriava de nunca ter visto um dos Pequenos. Bem, essa noite, quando ele estava indo sozinho pela Estrada de St. John, e quando ele chegou perto de um rio, um grande touro parou diante dele na estrada. Ele pegou seu bastão e deu um grande golpe no touro. O touro foi para o rio e ele nunca mais o viu.

Depois disso, quando ele estava passando pela Ponte de Parson, ele encontrou uma pequena coisa em uma roda de fiação, com uma pessoa bem pequena sentado onde o rolinho está. Bem, ele levantou seu bastão e bateu no pequeno corpo que estava sentado. O pequeno corpo disse à ele:

‘Ny jean shen arragh!’ que significa, ‘Não faça isso de novo!’

Ele caminhou até chegar em Glen Meay e contou o que ele tinha visto em uma casa lá. Então, outro homem disse que ele tinha visto uma pequena mulher velha sentada no topo do rolo de uma roda de fiação, quando estava descendo Raby Hill à noite. Então, eles ficaram pensando nisso, pois o primeiro homem a encontrou às seis, e o segundo, ás onze, e não tem nem duas milhas entre os dois lugares.

Então, eles dizem que quando os ciclos vem, o Povo Pequeno está diante deles! E essa é uma história verdadeira.