sábado, 7 de julho de 2012

Ortha na Seirce


Extraído de: Gaelic Incantations, charms and blessings of the Hebrides, de William Mackenzie.
ENCANTOS PARA AMOR

Na lista de amuletos dados de Macalpine, temos os Orra-ghraid, ou Encantos do Amor. Os antigos Terras Altas, assim como os gregos, parecem ter acreditado na eficácia de encantos e filtros, a fim de, como Erastus fez, forçar um homem ou uma mulher a amar ou odiar quem quisermos. “Sagae omnes sibi arrogant notitiam, et facultatem in amorem alliciend quos velint; odia inter conjuges serenti.” Nós temos uma noção de encanto para amor no poema de Duncan Ban Macintyre, ‘Rainn a ghabhas maighdean d’a leannan (Versos que uma donzela dirá para seu amado), mas como a cerimônia prescrita possa, em geral, ser considerada impossível, está claro que o próprio poeta não acredita na eficácia de tais Encantamentos. Que essa ideia, no entanto, sobreviveu até os tempos recentes, é inegável, e um bom exemplo disso é dado pelo bardo Kenlochewe no poema já dito. Descrevendo como o noivo estava ‘enfeitiçado’ pela mãe da jovem, ele diz: -

“ ’S beag a bha dhuil aige ‘posadh
Na la chaidh Seonaid ‘na chainnt –
Rug i da uair air a chrogan
A’s chuir i na h-òrrachan annt;
Thionndaidh a chridhe le sòlas:
Chaidh dalladh a’s sgleò air ‘s an àm,
‘S cha ‘n fhaiceadh e aon te cho bòidheach
Ri Ceit ged a sheòladh e ‘n Fhraing.”

Nos Terras Altas, uma erva chamada gradh a’s fuath (amor e ódio), acreditava-se, quando aplicada de forma correta, provocar amor ou ódio, de acordo com o desejo da pessoa que estava usando o Encanto. Ao seguinte encantamento para incitar o amor, agradeço ao Sr. Macbain: -

“Suil bhlath Chriosd air Peadar,
Suil chaomh na h-Oighe air Eoin;
Gu’n leanadh, gu’n leonadh, gu’n lotadh,
Gu’n iadhadh gu teann seachd altanach,
Le seachd snaim cruaidh-shnaim
Mu chridhe na h-Eala
‘Rinn mise ‘lot ‘s a leon
Gus an coinnich lot ri lot,
Leon ri leon, ‘s a cridhe ‘breabadh le aoibhneas
Ri faicinn gnuis a ruin:
An ainm an Athar, etc.”

Traduzido –

"O brando olho de Cristo sobre Pedro,
O meigo olhar da Virgem sobre João;
Para seguir, para ferir, para romper;
Que as sete gramas* com sete fortes nós
Envolva o coração do Cisne.
Que causou minha ferida e meu rompimento,
Até a ferida se encontrar com a ferida e o corte com o corte,
E o coração dela pular com alegria
Ao ver a face de seu amado:
Em nome do Pai, etc.”

A erva – evidentemente a altanach, um tipo de grama de musgo ou da montanha – era manipulado durante o encantamento acima.

Nossos primos irlandeses também tinham seus Encantos para o Amor, ou, conforme eles chamam, Ortha na Seirce. Ao professor O’Growney, de Maynooth, eu agradeço pelo seguinte encanto, que recebeu do Sr. O’ Faherty, do oeste de Connaught: -

“Ortha a chuir Muire in ím,
Ortha seirce ‘s síor-ghràdh;
Nar stadaidh do cholann, acht d’ aire bheith orm
Go leanfaidh do ghràdh mo ghnaoi
Mar leanas an bhó an laogh,
O’n là so amach go h-uair mo bháis.

Traduzido –

“Um encanto que Maria (Virgem) colocou na manteiga,
Um encanto de afeto e amor duradouro;
Que teu corpo não descanse, mas que ele não fique difícil para mim,
Até teu amor seguir meu semblante
Como a vaca segue o bezerro,
De hoje até a hora da morte.”

Como um companheiro de imagem, o seguinte Encanto de Amor da Inglaterra pode ser apropriadamente dado. A donzela loucamente apaixonada era Susan Lebway; e o precioso documento que contêm o encanto foi encontrado 30 anos atrás. O papel onde a fórmula foi escrita também contem figuras do sol, da lua e de outros corpos celestes, e o quadrado mágico. Junto com isso, estava também pedaços da unha da mão e do pé e um fino pedaço de linho, que acredita-se ser parte das peças íntimas de Susan. Tudo foi destramente dobrado, e envolto em três sacos de linho e costurado em uma peça de roupa de seda. Essa curiosa coleção era usada debaixo da axila esquerda. A fórmula é a que se segue: -

“Susan Lebway atrai o afeto de Theobald Young para si, e que ela nunca tenha qualquer descanso ou paz até ele voltar para ela, e a tornar tua legítima esposa. Que os espíritos dos planetas o atormentem continuamente até ele cumprir isso, meu pedido. Cossiel Lachiel Samuel Michel Araiel Rafael Gabriel, eu continuamente mexerei em sua mente. Fiat fiat fiat cito cito cito. Amém.”Reliquary, Volume X.

Não há dúvidas que os Filtros ou Poções do Amor foram usados entre os antigos Celtas. Em suporte à essa afirmação, eu cito o seguinte parágrafo de Irish Life of St. Bridget no ‘Livro de Lismore’, editado pelo Sr. Whitley Stokes: -

“Há um certo homem esperando na Igreja de Lassair, e sua esposa o deixou, não come e nem dorme mais com ele. Então, ele foi até Bridget para pedir um Feitiço para fazer com que sua esposa o ame. Bridget abençoou a água para ele e disse, ‘Ponha a água na casa, na comida, e na bebida de vocês, e na cama, na ausência de sua esposa.’ Quando ele fez isso, a esposa ficou perdidamente apaixonada por ele, de forma que jamais poderia ir para longe dele, mesmo que fosse em apenas um cômodo na casa, ela estava em suas mãos. Um dia ele seguiu em uma jornada e deixou sua esposa dormindo. Quando a mulher acordou, ela levantou-se rapidamente, seguiu seu marido e o viu muito longe dela, com o mar dividindo-os. Ela gritou seu marido e disse que iria até o mar se ele não viesse até ela.”

Em conexão com os Encantos de Amor e Filtros, dedicarei algumas linhas ao Eolas a’ Chomuis que já foi mencionado. Não pude conseguir esse Eolas, mas é certo que está na obra Pennant’s Tour in Scotland in 1772 (Vol. 2, p. 265), onde um amor fracassado é representado se vingando de seu rival por encantos tão potentes quanto aqueles do pastor Alphesibaeus mencionados por Virgil. “Donald”, conta o livro, “pegue três fios de cores diferentes e faça três nós em cada um, três vezes maldizendo os mais cruéis desapontamentos na cama nupcial; porém o noivo pode repelir esse mal, parando de frente ao altar com o sapato desamarrado e colocando seis centavos em seu sapato.”

Histórias ilustrativas do Eolas a’ Chomuis são numerosas através dos Terras Altas. Nossos primos irlandeses também tem histórias semelhantes. A crença nesse Encanto maligno ainda existe. Aqueles que dizem saber algo sobre isso, contam que na antecipação de um casamento que se quer destruir, três nós são preparados. No casamento, quando padre falar a parte da cerimônia “Eu caso vocês, etc.”, instantaneamente o encantador deve juntar a extremidade das cordas e dá um rápido nó. O noivo desafortunado nunca mais irá recuperar sua virilidade novamente, a menos que o nó seja desamarrado!

Um paralelo um pouco curioso à nossas histórias dos Terras Altas e irlandeses, é contada em uma parte do Apócrifo do Novo Testamento chamado ‘O Primeiro Evangelho da Infância de Jesus’. Tudo que tenho a fazer, é citar os versos: -

“Eles (a Virgem Maria e Jesus) vieram depois para outra cidade, e tinham em mente se alojar lá. Consequentemente, eles foram para a casa de um homem, que era recém casado, mas devido á influência de feiticeiros, ele não aproveitava sua esposa. Porém, enquanto eles ficaram lá aquela noite, o homem foi libertado de sua enfermidade.”

Agora, eu lhe darei [próximo capítulo..]
-
Extraído de: Witchcraft and Second Sight in the Highlands and Islands of Scotland, de John Gregorson Campbell.

ENCANTO DO AMOR

O conhecimento dessa rima é bem espalhado. Ela foi atribuída por alguém para Duncan Ban M'Intyre, o maior dos poetas líricos gaélicos, e foi publicada em algumas edições de seus poemas como sua própria composição, mas outros irão atribui-la mais à Blind Allan, o bardo de Glengarry. Allan teve seu sustento praticando feitiços do gênero.

"Isso não é um encanto de amor
Que é um encanto de feixes e palhas,
E sim um para trazer com calor
O amor do homem que você gosta.
Levante-se cedo na Quarta-feira,
E vá para uma laje de rath¹ [NT: 'laje de rath' são aquelas duas pedras erguidas na vertical, com uma em cima, formando uma "casinha"]
Leve com você a bênção do povo,
E o capuz do padre,
Coloque então sobre seus ombros,
Uma pá de madeira
Consiga nove ramos de samambaia
Corte com um machado
E três ossos de um velho homem
Em uma tumba;
Queime tudo em uma fogueira de silvado,
Até tudo virar cinza,
E jogue no peito nobre de seu amado
Contra o vento norte
E eu vou te assegurar
Que o homem não te deixará.
Você terá um abraço dele agora."

_¹ Al. Domingo cedo, em uma laje de rath na praia.

O Fatal Encanto do Amor

Um potente Encanto para o amor usado por mulheres é um pedaço de pele do braço de um corpo e amarrar na pessoa que se deseja, enquanto ele estiver dormindo. A pele é então removida depois de um tempo, e cuidadosamente colocada longe antes que a pessoa que estiver dormindo acorde ou tenha qualquer consciência do que aconteceu. E enquanto a pele estiver sob a posse da mulher, o amor de seu amado será imutável. Ou a tira de pele pode ser colocada debaixo da cabeça, em nome do Maligno, quando se quer sonhar com o futuro marido que aparecerá nos sonhos.

Uma jovem que era uma servente em uma grande e bela casa de uma rica família tentou esse feitiço por diversão, achando que ela sonharia com algum de seus companheiros de trabalho, e na manhã seguinte, sua patroa perguntou o resultado.

“É verdade, madame,” ela respondeu, “nunca vi tamanha brincadeira, pois foi com o meu patrão que sonhei a noite inteira, e com mais ninguém.”

Logo após a patroa morrer, e a menina, lembrando-se de seu sonho, viu sua oportunidade de amarrar um pedaço de pele de um corpo recentemente enterrado ao redor do braço de seu patrão enquanto ele dormia. Depois disso, ele ficou violentamente apaixonado pela garota, apesar dela ser incrivelmente feia, e dentro de um ano os dois se casaram, seu amor a todo tempo permanecendo ardente e imutável.

Mas em exatamente um ano e um dia depois de seu casamento, seu quarto pegou fogo acidentalmente, e a tira de pele, que tinha sido cuidadosamente escondida em seu guarda-roupa pegou fogo, junto com seu esplêndido vestido de casamento. Imediatamente, a magia do encanto foi quebrada, e o ódio que o cavalheiro sentiu por sua esposa malnascida se tornou tão forte quanto o amor que um dia ele sentiu por ela.

Em sua raiva e tristeza por não encontrar mais nada, a não ser frieza e insultos, ela confessou toda a história; e, em consequência, o horror que ela inspirou entre o povo foi tão grande que ninguém a serviria comida ou bebida, ou sentaria próximo à ela, ou ter qualquer coisa com ela; ela morreu miseravelmente e meio maluca após o segundo ano do ocorrido – um aviso e um terror para todos aqueles que fazem feitiços em nome do Maligno.   

Uma Poção do Amor

Algumas pessoas do interior ainda tem uma lembrança tradicional de muito poderosos remédios herbais, e mesmo hoje, poções do amor são frequentemente usadas. Elas são geralmente preparadas por uma mulher velha; mas precisam ser administradas pela pessoa que deseja inspirar a imatura paixão. Ao mesmo tempo, dar uma poção do amor é considerada um ato muito perigoso, pois o resultado pode ser fatal, ou pelo menos, cheio de perigos.

Um belo jovem, de melhor caráter e conduta, de repente se torna selvagem e imprudente, bêbado e desordeiro, devido ao efeito, acredita-se, da poção de amor, administrada à ele por uma jovem que estava passionalmente apaixonada por ele. Quando ela viu a mudança produzida nele pelo seu ato, ela se tornou mal-humorada e nervosa, como se um constante terror estivesse sobre ela, e ninguém mais a viu sorrir novamente. Por fim, ela ficou meio desordenada, e depois de alguns anos de uma vida estranha e solitária, ela morreu de melancolia e desespero. Dizem que isso é a “Maldição da Poção do Amor.”

Sonhos de Amor

A garota que deseja ver seu futuro marido, deve sair e colher certas ervas na luz da lua cheia do ano novo, repetindo esse encanto: -

“Lua, lua, diga para mim
Quando meu verdadeiro amor eu verei?
Que roupas boas deverei usar?
Quantas crianças eu terei?
Pois se meu amor não vier
Sombria e triste minha vida será.”

Então a garota, pega três pedaços de terra com uma faca de cabo preto, leva para casa, coloca a terra dentro da meia esquerda com a liga, coloca debaixo do travesseiro, e sonhará um verdadeiro sonho do homem que ela se casará e será seu futuro marido. 

Para Causar Amor

Dez folhas de cicuta seca, em pó e misturada na comida ou bebida fará com que a pessoa te ame.

Também, mantenha um raminho de hortelã em sua mão até a erva ficar úmida e quente, então, pegue na mão da mulher que você ama, e ela lhe amará enquanto as duas mãos ficarem próximas à erva. Nenhuma invocação é necessária, mas silêncio precisa ser mantido em ambas as partes por dez minutos, para dar ao feitiço tempo de ter sua eficácia. 

Contra a Tristeza

Um encanto feito por Maria para seu Filho, antes de um homem nobre e a mulher turbulenta o colocar na tumba.

“O encanto de Michel com seu escudo;
Na palma de Cristo;
De Bridget com seu vel.
O encanto que Deus colocou para Ele mesmo quando a divindade dentro dele estava escurecida.
Um encanto para ser dito para a cruz quando a noite é escura e a alma está pesada com tristezas.
Um encanto para ser dito no nascer do sol, com as mãos sobre o peito, quando os olhos estão vermelho devido às lágrimas, e a loucura da dor é forte.
Um encanto que não tem palavras, apenas a silenciosa oração.”



Para ganhar o Amor

“Oh Cristo, pelas suas cinco feridas, pelas nove ordens dos anjos, se essa mulher for ordenada à mim, deixe-me segurar sua mão agora, e respirar seu fôlego. Oh meu amor, eu coloco um feitiço do topo de sua cabeça para a sola de teu pé, em cada lado do teu peito, que você nunca me deixe ou me abandone. Como o potro segue a égua, como uma criança segue a mãe, que você me siga e fique comigo até a morte vir e nos separar. Amém.”

Outro.

Um encanto do mais desesperado amor, para ser escrito com uma pena de corvo no sangue do dedo indicador da mão esquerda.

“Pelo poder que Cristo trouxe do céu, que tu me ames, mulher! Como o sol segue seu curso, que tu me sigas. Como a luz para os olhos, como o pão para o faminto, como a alegria para o coração, que tua presença esteja comigo, Oh mulher que amo, até a morte vim e nos separar.”

Para causar ódio entre amantes

Pegue um punhado de terra de uma tumba recém feita e sacuda entre eles, dizendo –

“Odeie um ao outro! Que um seja tão odioso ao outro como o pecado é para Cristo, como o pão comido sem bênção é para Deus.”

Para o Amor

Este é um encanto que eu faço para amor, um encanto de mulher do amor e desejo, um encanto de Deus que ninguém pode quebrar –

“Você para mim, e eu para ti e para ninguém mais; sua face para a minha, e sua cabeça virada para longe de todos os outros.”

Isso é para ser repetido três vezes secretamente, sobre uma bebida que será dada ao amado.

Para causar o Amor

Manteiga dourada em um prato recém feito, assim como Maria fez diante de Cristo. Isso é para ser dado na presença de um moinho, de um rio, e na presença de uma árvore, com a pessoa levemente dizendo –

“Oh mulher, amada por mim, que tu me dê seu coração, tua alma e teu corpo. Amém.”

Para a Depressão do Coração
Quando uma pessoa fica desanimada, deprimida e descuidada com tudo, como se toda sua força vital e energia tivesse ido embora, dizem que ela foi atingida por um golpe-fada. Água deve ser derramada sobre ele pelas mãos de um doutor fada enquanto ele diz, “Em nome do santo com a espada, que tem força diante de Deus e fica em Sua mão direita.” É necessário ter muito cuidado para que nenhuma porção da água seja desperdiçada. Toda as sobras do feitiço precisa ser jogada no fogo.

Sejam abençoados por Oenguss.