Deuses




                Muitas são as características dos deuses da Irlanda, Escócia e Ilha de Man. Eles podem apresentar-se como progenitores de famílias reais e dinastias (como Áine, Clíodna e Aoibheall), conectados com algum lugar em si – sejam dando origem ao lugar, governando-o ou até mesmo personificando. Nos mitos e no folclore, os deuses aparecem tendo características especiais que o distinguem de outros seres: tendo poder sobre as colheitas ou algum fenômeno natural (como o Dagda que governa o clima ou Grian que é intimamente ligada ao sol como seu próprio nome sugere), podem metamorfosear-se em outros animais (como Morrígan que podia tomar a forma de um corvo negro e Úna que se transformava em um bezerro branco), podem ser associados com alguma arte específica (Lugh é o mestre de todas as habilidades, Diancecht é o médico dos deuses e Goibniu, um ferreiro-divino) e também são descritos com uma aparência... divina: são altos, bem vestidos, extremamente belos e modos majestosos, apesar dessa última característica ser mais aplicada aos Tuatha Dé Danann.

"Os cavaleiros do Sídhe", de John Duncan.

                Sabe-se que existem quatro tribos principais de deuses; das quatro, os Tuatha Dé Danann são os mais conhecidos e de longe os mais cultuados – eles personificam todas as características divinas citadas acima, mas sua principal característica é a beleza e seus ofícios. Estão intimamente ligados à civilização e às artes (poesia, metalurgia, medicina, guerra, pecuária, agricultura e pesca, por exemplo), e o próprio nome Tuatha Dé Danann pode ser entendido como ‘A Tribo dos Deuses das Artes’, mas outros estudiosos sugerem que a tribo em si possa descender de uma deusa conhecida como Anu, citada em um manuscrito conhecido como ‘O Glossário de Cormac’ sendo descrita como uma deusa da prosperidade e a mãe de todos os deuses, e o nome passaria a significar então ‘A Tribo dos Deuses de Anu/Danu’. Os Tuatha Dé Danann habitam os brughs, palácios encantados espalhados por toda a Irlanda e dados para cada um deles e seu séquito por Manannan mac Lir, o deus do mar e do outro mundo. O Dagda tem poder sobre todos os brughs, e em alguns relatos, é ele que divide as terras entre os Tuatha Dé Danann ao invés de Manannan. Alguns desses palácios são bastante conhecidos, como o Brugh na Boinne, o palácio de Angus mac Og – o deus do amor. Eles também podem habitar árvores, que são conhecidas na Irlanda até hoje como as fairy trees “árvores fadas”, sendo consideradas pelos camponeses como sagradas e caso alguém a cortasse, acarretaria em uma extrema má sorte que poderia até mesmo acabar com a morte do transgressor. Outras divindades podem habitar em montanhas, como a Áine – a deusa do verão – que habita no interior de Cnoc Áine, ou Finnbhear – provavelmente um deus dos cavalos e plantações – que habita no interior de Cnoc Meadha. Outras divindades, no entanto, também podem habitar em ilhas encantadas localizadas no oeste do mundo, inacessível através de barcos comuns. São conhecidas como Tir Tairnge (‘Terra da Promessa’), Mag Mell (‘Planície da Alegria’), Tir na nÓg (‘Terra dos Jovens’), dentre muitas outras, onde habitam Fand e Clíodna (ambas as deusas tem conexões marítimas), por exemplo, e é Manannan mac Lir que governa todas elas. Acredita-se que esses lugares são alcançados após a morte como um local de descanso.   

Parta da obra "Os fomorianos", de John Duncan.

                Entretanto, nem só de Tuatha Dé Danann são compostos os deuses gaélicos. Com características diametralmente opostas aos dos amáveis Tuatha Dé, estão os Fomoire, uma tribo de deuses que incorporam os aspectos mais sinistros e incompreendidos da natureza – a escuridão, a morte, o inverno, o frio e a fome, para citar alguns. Seu nome pode receber muitas interpretações, para alguns autores o grupo pode ser traduzido como “Aqueles que vêm debaixo do mar”, e para outros, “Os grandes do submundo”.  Muitos dos seres dessa tribo não são cultuados, se não todos, mas, no entanto, Cailleach Bheur (que na Escócia recebe o título de ‘mãe dos Fooar’, palavra que pode ser compreendida como a “versão” escocesa para os Fomoire irlandeses) é uma deusa cultuada quando se deseja apaziguar uma tempestade ou pôr um fim no inverno árduo e frio; ela era tida como uma deusa criadora: carregando uma cesta com pedras e terra em suas costas, ela deu origem a maioria das paisagens da Escócia quando deixavam esses elementos cair de sua cesta, e a partir de fontes protegidas por suas serventes, lagos nasciam. Apesar de terem esse aspecto terrível, muitos seres dessa raça se casaram com os Tuatha Dé Danann – Elatha se uniu com a deusa Ériu, e deu origem a um rei tirano chamado Bres, tendo então o sangue das duas raças, que por sua vez se uniu a Brigid, dos Tuatha Dé Danann. O próprio Dagda que sempre foi descrito pertencendo aos Tuatha Dé Danann – sendo o líder deles em alguns casos – também é descrito sendo filho de Elatha, apesar de sua mãe ser desconhecida. Lugh, o deus de todas as artes, também é resultado de uma união “interclânica”. Em todos os casos, os Fomoire são compreendidos como as forças e deidades mais antigas do mundo – antes de todos os invasores da Irlanda chegarem à ilha, os Fomoire já estavam lá.

"Sreng, o campeão dos Fír Bolg", de Jim Fitzpatrick

                Os deuses da terceira tribo são os Fír Bolg cujo nome é curiosamente traduzido como ‘Os homens dos sacos’. Estas classes de deuses podem ser vistos como divindades de aspectos ctônicos e agrícolas, pois onde quer que chegassem, eram capazes de transformar o solo rochoso e incultivável em um lugar fértil e propício para as práticas da agricultura. A deusa mais conhecida dessa tribo é Taltiu, que pode ser entendida como uma deusa da terra que se sacrificou para que uma floresta virasse um campo apropriado para a plantação. 

                A última tribo de deuses são os milesianos, ou os Filhos de Míl, e acredita-se que os gaélicos descendam dessa tribo. A divindade mais conhecida dessa raça é Donn, que é tido por muitos como o deus dos que já se foram, o guardião da casa dos mortos. As lendas contam que ele foi o primeiro a morrer quando os milesianos invadiram a Irlanda, e após afrontar Ériu, a Irlanda personificada, é atingido com uma doença infecciosa, e, portanto, teve que ser tirado do barco para que não contagiasse os outros e deixado em uma ilha para morrer, e o lugar posteriormente se tornou a casa para onde todos os mortos vão. Existem, no entanto, divindades que não pertencem à nenhuma dessas tribos citadas – ou não nos foi deixado relatos de qual tribo essas divindades pertenciam. Crom Dubh, um deus sombrio que exigia sacrifício de crianças, é um exemplo, assim como Tlachtga, filha de um poderoso druida e tida como uma deusa da terra e da feitiçaria.

                O título da página (déithe) é a palavra em irlandês moderno para ‘deuses’, e aqui vocês encontrarão textos sobre cada uma das divindades em particular: seus atributos, características físicas, mitos e histórias associados a eles, oferendas e gostos particulares e qualquer coisa que os envolva. As maiores fontes onde você pode aprender sobre os deuses são os mitos e as lendas, mas o folclore também ajuda bastante – eu tentarei reunir toda a informação disponível aqui, e posso adicionar ou removê-las conforme novas descobertas serem feitas ou teorias sejam comprovadas serem falsas; adicionei também alguma de minhas próprias experiências e intuições (o que chamamos de gnoses), mas sempre avisarei antes de escrevê-las para que não se confundam com a realidade já provada.  Ler sobre eles irá ajuda-los a entrar em contato com eles, e assim, poderá conhecê-los melhor. Espero poder contribuir com esse conhecimento para vocês, e que as bênçãos dos Deuses e não deuses recaiam sobre todos vocês.  

Os deuses


Dagda (deus do clima, da terra e das estações)


Brigit (deusa da lareira, lar, fogo, da poesia, cura e metalurgia)


Lugh (deus de todos os ofícios e artes, dos guerreiros e dos juramentos) 

 

Morrígan (deusa da guerra, da morte e da destruição) 



Manannan mac Lir (deus do mar e do outro mundo)


           Atualizações:
19/03/2013 - Foi adicionado o texto de Dagda.
29/03/2013 - Foi adicionado o texto de Brigit.
15/01/2016 - O texto de Dagda foi atualizado.
22/01/2016 - Foi adicionado o texto de Lugh.
14/02/2016 - Foi adicionado o texto de Morrígan.
08/07/2016 - O texto de Dagda foi atualizado.
15/08/2016 - O texto de Brigit foi atualizado.
20/10/2016 - Foi adicionado o texto de Manannan mac Lir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário