domingo, 5 de novembro de 2017

Uma invocação ao Dagda

Ian Corrigan, o líder da organização A Druid Fellowship (ADF), escreve sobre muitas práticas e ritos belamente inspirados para os deuses gaélicos. O rito abaixo, combinado com uma visão de transe, foi retirado de seu blog particular “Into the Mound” e nos dá belos insights do deus Dagda. Esse modelo pode ser seguido na íntegra ou você pode adaptá-lo para se adequar às suas necessidades, como no caso das nove oferendas, onde você pode subsitui-las por nove oferendas que sejam mais acessíveis para você.

Fonte: “An Invocation of the Dagda”, por Ian Corrigan em seu blog “Into the Mound”. Disponível em: <http://intothemound.blogspot.com.br/2012/10/an-invocation-of-dagda.html>. Acesso em: 04 de novembro de 2017.
* As imagens não fazem parte do texto original.  

Uma invocação ao Dagda
Ian Corrigan

Imagem relacionada

1. A visão do transe

“Agora, que o Portal seja como uma janela para a nossa visão... abrindo-se para revelar o outro mundo... e deixe-nos ver o Antigo e Poderoso, In Dagda Mor, o Grande Bom Deus... ele está sentado bela e generosamente, em um resplendor de dezenove cores... fogo e ouro e verde, brilhando e estando dispostos ao seu redor... fluindo e mudando, emergindo de um brilho branco dourado em seu centro... neste centro o Deus Vermelho está sentado... vestido nas cores do fogo e da terra... couro e ferro, túnica branca e capa enxadrezada em nove tons... com seus poderosos braços e pernas despidos... um imenso torc dourado descansa em volta de seu pescoço, com faixas de prata em seus punhos, refletindo as chamas oscilantes... e ao centro está o rosto do deus...”

“Veja os olhos do Senhor da Sabedoria... olhe para eles, eles o vendo ou ainda não... veja suas características, seu solto cabelo ruivo e seu bigode, com as pontas douradas como chamas... Ele senta de pernas cruzadas em um assento tapeteado e ornamentado... diante dele queima um bom fogo, em uma plataforma quadrada para fogueiras... acima do fogo está suspenso um grande caldeirão de ferro, e ele borbulha, exalando um aroma do perfeito deleite... em sua mão direita ele carrega sua grande e notável clava, e em sua mão esquerda sua bela harpa descança em seu joelho, preenchendo o ar em sua volta com uma maravilhosa música...”

“Você se aproxima do deus... e ele levanta de seu assento e fica diante de você... deixe sua visão permanecer nele... enquanto fazemos nossa invocação...”

Imagem relacionada

2. Invocação e oferendas

“O mais honrado Dagda, a ti fazemos o sacrifício, para Eochaid o Pai de Todos, Filho de Elatha, líder de Danu. Todo habilidoso Rei dos Tuatha De Danann, Anfitrião do Salão dos Heróis, Guarda do Caldeirão dos Banquetes, Harpista Feiticeiro, Senhor dos Segredos, ouça-nos, Deus Vermelho, conforme lhe ofertamos!”

“Garanhão de Padreação, Poderoso Líder do Clã, Grande Caldeirão dos Banquetes, Gigante de Barba Ruiva que copula com a Égua. Permaneça conosco Eochaid, como oferenda nós lhe damos...”

(oferta óleo)

“Guerreiro Guardião, Portador da Clava, Campeão, Matador de Noves, Olho Solar, Mata e Revive com o golpe de sua Clava. Permaneça conosco Dearg, conforme lhe damos a oferta apropriada...”

(oferta óleo)

“Sábio Druida, Guardião do Fogo, Harpista das Estações e Mestre dos Segredos, ó Senhor do Sacrifício, Grande Ruadh Ro-fhessa, permaneça conosco aqui conforme lhe damos a oferta apropriada...

(oferta óleo)

“O mais honrado Dagda, a ti fazemos o sacrifício,
Que tu sejas o calor abaixo do Caldeirão,
Que tu sejas o Fogo do Sacrifício,
Que tu sejas o doador das Bênçãos generosas.”

“Chama na barriga que sustenta a vida,
Chama no coração que ilumina a vida,
Chama no olho que compreende a vida,
Esteja conosco, e deixe-nos estar contigo.”

“Ó Pai de Clãs, Garanhão Vermelho da Hospedagem
Ó Campeão do Olho Solar, Matador e Curandeiro
Ó Senhor da Sabedoria, Fogo do Sacrifício
Ó o mais honrado Dagda, a ti ofertamos.”

(enquanto cada uma das nove ofertas são dadas, todo o grupo responde cantando o encantamento...)

Dagda Mór, bheith linn
Dagda Mór, Dia linn

“Dagda Mor – Grande Bom Deus,
Lhe dou mingau, pois tu alimentas cada hóspede honrado,
Lhe dou carne de porco, pois tu dás a Porção do Campeão,
Lhe dou cerveja, pois tu fortaleces o espírito do grão,
Lhe dou prata, pois tu concedes a riqueza,
Lhe dou ferro, pois tu trazes a magia afiada,
Lhe dou carvalho, pois tu trazes a forte lei,
Lhe dou chama, pois tu guardas a Chama Sagrada
Lhe dou ervas visionárias, pois tu guardas os Portões do Outro Mundo,
Lhe dou hidromel, pois tu guardas o Gole da Inspiração.”



3. O sacrifício final

“Eu chamo com a voz do Caldeirão da Maravilha, eu chamo com a voz da Lareira das Boas Vindas, ó Dagda Mor, seja bem vindo em nosso fogo. Receba estes presentes, e com eles, nosso amor, nossa honra e nossa aspiração.
Dagda Mor, Grande Bom Deus, aceita nosso sacrifício!”


Nenhum comentário:

Postar um comentário