sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Feliz Samhain!

Foto da minha celebração, com oferendas de barmbrack e cerveja
escura para Cailleach, e maçãs para os Ancestrais. 


            Feliz Samhain para todos vocês! O festival, que também conhecido como Samain em irlandês antigo, é celebrado no dia 1º de novembro (ou nas vésperas, 31 de outubro) e marca o início do inverno e o fim da estação das colheitas no hemisfério norte. Mais do que em qualquer outro Dia Trimestral (Oímelc, Beltine e Lugnasad), há um grande perigo que ronda durante essa época, uma vez que se acreditava que o outro mundo estava facilmente acessível, e assim, espíritos malfeitores e o Povo das Colinas poderiam vagar livremente pela terra, prontos para causar infortúnios aos homens e animais. Um forte tema caótico permeia o festival e acreditava-se que nesse dia as tropas das fadas saíam das colinas para fazer suas procissões e batalhar umas contra as outras e os espíritos dos humanos poderiam ser abduzidos para suas moradas debaixo da terra. Como forma de se proteger desses espíritos e impedir que se chame a atenção deles, diversas medidas eram tomadas como a confecção de uma cruz de Parshell (um pedaço de graveto com palha entrelaçada),  esculpir faces em nabos para afastá-los (que mais tarde deu origem ao famoso costume do Halloween de esculpir abóboras...), carregar uma faca de punho preto, fantasiar-se ou até mesmo usar uma roupa invertida.

            Como o festival anunciava o início do inverno, que simboliza a "morte" da natureza, o Samhain é um festival muito associado com os mortos e os ancestrais. Acreditava-se que nesse dia os mortos poderiam vagar livremente pela terra, alguns para visitar seus parentes e outros para causar confusão, e com isso, comida e bebida era deixada do lado de fora para eles, tal como as casas iam dormir com a porta destrancada para que eles pudessem entrar e encontrar um lugar confortável dentro do lar. Durante o jantar, um lugar à mesa também poderia ser reservado para eles. O Samhain também era a época ideal para divinação de diversos tipos e muitas pessoas seguiam superstições e costumes para descobrir seus maridos/esposas ou para ver o que o destino lhes reservaria futuramente, por exemplo.

            Mitologicamente falando, o Samhain é o festival mais mencionado na mitologia irlandesa. O mito mais conhecido dessa época nos conta como o Dagda se uniu com Morrígan para fazerem sexo e revelar os segredos da segunda batalha de Moytura, mas outras histórias nos falam que Óengus lamentou o rapto de sua amada Englec, raptada por Midir, com um grande banquete de avelãs nessa época, e foi também nessa data que o líder dos fianna, o guerreiro Finn, matou Aillén, uma criatura sobrenatural que saía de seu síd todo Samhain para incendiar Tara. No mito que conta o curto namoro de Cuchulainn e Fand, diz-se que os homens de Ulster realizavam um grande festival no Samhain que durava uma semana. A mitologia também nos conta que Óengus ganhou o Brugh na Boinne de seu padastro Elcmar durante o Samhain e é nessa época que Caer Ibormeith, sua amada, se transformava em um cisne junto com outras 150 donzelas. Por último, Crom Cruach, uma divindade sombria e obscura, exigia o sacrifício de leite, grãos e bebês primogênitos durante o Samhain.

            Com toda as informações que temos na mitologia e nas práticas folclóricas dessa época, podemos construir uma base sólida para nossas celebrações, seja honrando seus ancestrais, contando suas histórias e reservando um lugar à mesa para eles ou tomando precauções para se proteger do Povo das Colinas, por exemplo. Em um contexto mais moderno, podemos honrar divindades que são associados com os temas centrais do festival - inverno e morte, como Cailleach e Donn, e divindades que são mitologicamente vinculadas ao festival, como Dagda, Morrígan e Óengus (que por sinal, é uma das divindades mais mencionadas estando associado com o festival). Nessa data, encontramos em uma época de introspecção e refletimos sobre nossa ancestralidade, além de apaziguar os poderes da escuridão e do inverno, além de aplacar o Povo das Colinas, que são mais ativos nessa estação do ano. Uma ceia também pode ser preparada, oferecendo-se alimentos típicos dessa época como maçãs e avelãs, e receitas tradicionais como o colcannon (um purê de batatas com repolho), o barmbrack (um bolo de frutas secas), stampys e boxtys (ambos pães de batata), e podemos confeccionar a Cruz de Parshell e esculpir faces medonhas em nabos ou abóboras. Seja como forem suas celebrações, desejo a todos um excelente festival e que os Deuses e não-Deuses possam protegê-los dos perigos dessa época do ano; além disso, que, acima de tudo, não nos esquecemos de um dos verdadeiros sentidos do festival e possamos refletir sobre nosso passado e nossa ancestralidade. Que Dagda guarde a todos! 

Textos 


Samhainn, de Annie Loughlinn
Celebrando o Samhainn, de Annie Loughlinn
O culto aos mortos, de MacCulloch
An Irish Halloween, de Bridget Haggerty (parte 1 e parte 2) (em inglês)
November Eve, de Lady Gregory (em inglês)
For the Ancestors, apesar de ser um site da religião nórdica, ele possui bons artigos que tratam sobre a ancestralidade e os ancestrais em um sentido muito mais amplo que pode se estender para outras religiões, além de dar exemplos de orações e formas de honrar aqueles que já se foram. (em inglês)

Mitologia


Deuses

Dagda, de Leonni Moura
Morrígan, de Leonni Moura
Donn, de Mary Jones (em inglês)
Cailleach, de Mary Jones (em inglês)
Óengus mac Óg, de Mary Jones (em inglês)

Receitas

Stampy (em inglês)

Nenhum comentário:

Postar um comentário