domingo, 19 de novembro de 2017

Como Finn obteve o conhecimento e a morte de Cul Dub

Tucait fagbála in fesa do Finn ocus marbad Cuil Duib
Como Finn obteve o conhecimento e a morte de Cul Dub

Bruiden Átha

            Uma vez, Find O’Baiscne estava em Cind Chuirrig[1]. Ele esteve sem uma esposa por um longo tempo. Ele então foi em direção ao Suir[2] e para o Dún Iascaig[3]. Em Caher no Suir, ele viu a filha de um pastor lavando sua cabeça e seu nome era Badamair. Ele a levou consigo e ela viveu com ele.

            Foi Currech Lifi de Leinster, aquele que nomeou Rath Cuirrig, que matou seu irmão adotivo Dub O’Duibne, a quem Diarmait, filho de Duibne, descende. Finn então foi lidar com Currech de uma vez, mas Currech foi para o oeste, cortou a cabeça de Badamair, a esposa de Finn, e a levou consigo para o leste. No entanto, Finn o seguiu, cortou sua cabeça e a levou consigo para o oeste. Por isso Cenn Currig[4] (“Cabeça de Currach”) é assim chamada e por isso foi cantado:


Currech Lifi com seu esplendor,
(...) rei a quem ele cedeu,
Sua cabeça foi levada para longe de si
Para a montanha sobre Badamair. 

            Este Currech era o filho da mãe de Fothad Canainne. Fothad estava esperando por Finn, até finalmente eles terem feito a paz e Finn preparou uma festa de ale[5] para Fothad, o convidando. No entanto, era um geis[6] de Fothad beber cerveja sem estar na presença de cabeças mortas. Isso foi difícil na época, pois a paz de Cormac estava na Irlanda durante de sete anos e nenhum homem deveria ser morto nesse tempo. “No etanto, há lugares onde a morte de um homem é um direito investido,” disse Finn, que são a estrada de Midluachair[7], o Vau de Ferdiad[8], o Vau de Hurdles[9], a Passagem de Gowran[10], o Vau de Nó[11], o Bosque dos Ossos[12], Conachlad, os dois Seios de Anu em Luachair Dedad.[13]

            Finn então foi até os dois Seios de Anu para matar um homem.

            “Vamos,” disse Teit, a filha de Mac Niad, irmã de Fothad, “a festa de ale que Finn está preparando para meu irmão será para nós. Vamos beber nela,” disse ela para seu marido, cujo nome era Finn Mac Regamain. Eles foram juntos para o oeste em uma biga, com a mulher atrás e ele na frente. Quando eles passaram por Finn O’Baiscne, Carrfiaclach Mac Connla atirou contra eles de forma que a lança ficou no peito do homem após ter atravessado primeiro a mulher. Ambos morreram, e por isso, existiu uma eterna contenda entre Finn e Fothad.

            No entanto, pareceu ao homem que foi a mulher que tinha lhe ferido, e ele disse, “Frio é o golpe que tu me deste, ó mulher!” etc. “Cegamente tu me culpas,” disse a mulher, “ó homem, eu morrerei, pois o golpe me atravessou. (...) É evidente para mim que Fothad não vive após os triunfos de Canann, pois se o filho de Mac Niad está vivo (...).” Daquela hora em diante ambos ficaram aguardando um ao outro, enquanto estivessem vivos, Finn e Fothad Canainne.

Como Finn obteve o conhecimento e a morte de Cul Dub

            Em outra ocasião, Finn estava em Cind Chuirrig. Era lá que ele costumava ficar. Toda manhã um homem devia cozinhar um porco para a sua refeição do dia. Um dia, foi a vez de Oisin. Quando ele considerou que o porco estava pronto, ele o passou por cima do lixo na ponta do garfo para a mão de seu companheiro. Algo então agarrou no porco e o levou embora. Oisin correu atrás dele pelo Suir, em Ath Nemthenn[14], por Ord[15], por Inmain[16], pela Encosta de Ui Faelain até o topo do Montículo Encantado[17] na planície de Femen[18]. A porta se fechou quando a criatura tinha entrado no montículo encantado e Oisin foi deixado do lado de fora.

            Quando o fian[19] acordou, Oisin voltou. “Onde está o porco?” disse Finn. “Algum outro mais corajoso que eu o levou,” disse Oisin.

            No dia seguinte, Cailte se encarregou de fazer o porco. O porco foi tirado dele da mesma forma. No entanto, ele voltou. “Onde está o porco?” disse Finn. “Eu não sou mais corajoso que aquele de quem o porco foi tirado ontem,” disse Cailte.

            “Quem o cozinhará agora?” disse Finn. “O espinho mais jovem é sempre o mais afiado.” Ele mesmo foi cozinhá-lo, com o punho de suas lanças em sua mão esquerda e a outra mão virava o porco nas pontas do garfo. Algo agarrou o porco. Finn deu um golpe na criatura, mas a ponta de sua lança apenas atingiu suas costas, deixando, no entanto, o seu cabo para fora. A criatura foi para Ely[20], para Cell Ichtair Lethet (...) Sete vezes ela pulou no Suir (...) Finn deu uma estocada na criatura quando ela estava entrando no montículo encantado de forma que quebrou suas costas. Finn esticou sua mão na porta do síd[21] e a porta foi fechada em seu polegar. Ele colocou seu polegar na boca e escutou o choro deles. “O que é isso?” todos eles disseram. “Cul Dub foi morto!” “Quem o matou?” disseram eles. “Finn O’Baiscne.” Todos eles choraram. Ele então disse, “Doce, doce,” etc. (...) Ele então levou o porco em seu peito de volta para seu povo.

Fonte: Revue Celtique, volume 14. “Two Tales about Finn”, por Kuno Meyer. 1893. Páginas 242-243 e 246-247. Disponível em: <http://celt.ucc.ie/published/T303013/index.html>.

Para acessar o arquivo em .pdf, clique aqui.



[1] Kuno Meyer traduziu este termo como “Cabeça do Curraigh”. Mantive o termo original em irlandês médio pois acredito que seja uma referência ao lugar conhecido como An Currach, “O Curragh”, uma planície localizada no Condado de Kildare, Irlanda. (Nota de tradução)
[2] O rio Suir (Abhainn na Siúire) é um rio da Irlanda que nasce nas montanha Bearnán Éile no Condado de Tipperary. (N.T.) 
[3] A atual Caher (An Chathair), é uma cidade do Condado de Tipperary. Seu nome vem de Cathair Dún Iascaigh, “Cidade do Forte da Pesca”. O rio Suir passa por aqui. (N.T.) 
[4] Mesmo lugar mencionado na nota 1. Mantive o termo em irlandês ao invés da tradução do tradutor para o inglês, “Cabeça de Currach”. (N.T.)
[5] O ale um tipo de cerveja produzida a partir da cevada maltada e uma levedura que confere um sabor frutado à ela. (N.T)
[6] Geis (plural gessi) é uma proibição específica para determinada pessoa. (N.T.)
[7] Uma das cinco grandes principais estradas da Irlanda antiga. Ver os Four Masters, A.D. 123. (Nota original)
[8] Atual Ardee, Condado de Louth. (N.O.)
[9] Eu não sei qual dos vários lugares com este nome é. (N.O.)
[10] No Condado de Kilkenny. (N.O.)
[11] Desconhecido para mim. (N.O.)
[12] Há diversos lugares com este nome, dois em Munster (Cleghille, Condado de Tipperary) e um em Connaught. (N.O.)
[13] Atual Slieve Lougher, Condado de Kerry. (N.O.)
[14] Cf. ‘oc Ath Nemthenn for Siuir,’ Silva Gadelica p. 315, 7. (N.O.)
[15] Desconhecido para mim. (N.O.)
[16] Desconhecido para mim. (N.O.)
[17] Um síd. Ver nota 21. (N.T.)
[18] Femen, uma planície perto de Cashel. (N.O.)
[19] Um fian era um membro dos fianna, um bando de guerreiros da antiga Irlanda, cujo líder era o próprio Finn. (N.T.)
[20] Ely (ou Éile) foi um pequeno reinado localizado ao norte de Munster, Irlanda, cujo centro é hoje a atual baronia (subdivisão de um condado) Eliogarty (ou Éile Uí Fhógarta). (N.T.)
[21] Colinas ou montes ocos dentro dos quais o povo das fadas (aes sídhe) vivem. (N.T.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário