domingo, 29 de outubro de 2017

Os Dindshenchas em prosa: Carn Húi Néit

46. Carn Húi Néit

            Bres, filho de Elathan, filho de Nét – que é Net, filho de Nuacha, ou Net, filho de Angaid, o ancestral de Bres, morreu lá, mas foi o próprio Bres que morreu lá, pois foi ele que no reinado de Nechtán da Mão Clara, rei de Munster (ou Nechtán da Mão Vermelha), exigiu de cada casa da Irlanda uma centena de bebidas de leite de uma vaca parda sem chifres ou do leite de uma vaca de alguma outra cor. Então, as vacas de Munster foram chamuscadas por ele (Nechtan) em uma fogueira de samambaia e elas então foram manchadas com um mingau de cinzas da linhaça para que ficassem da cor marrom escuro. Isso foi feito através do conselho de Lugh mac Ethlenn e do feiticeiro Findgoll, filho de Findamnas, e eles também construíram trezentas vacas de madeira com baldes marrons escuros em suas junções no lugar das tetas. Esses baldes foram mergulhados na substância escura dos pântanos.


            Bres então veio inspecionar os costumes desse gado e para que as vacas pudessem ser ordenhadas em sua presença; Cian, o pai de Lugh, estava entre eles. Todo o líquido do pântano foi espremido como se fosse leite que havia sido ordenhado. Os irlandeses estavam sob um tabu de irem para lá na mesma hora e Bres estava sob um tabu de beber o que fosse ordenhado lá.

            Então, trezentos baldes cheios do líquido vermelho dos pântanos foram ordenhados para ele, que bebeu tudo! Alguns dizem que ele ficou sete dias, sete meses e sete anos definhando por conta disso e cruzou a Irlanda na busca de uma cura até chegar ao cairn[1] onde morreu. Por isso, Carn Húi Néit[2] é assim chamado.        

Fonte: STOKES, Whitley. “The Prose Tales from the Rennes Dindshenchas”, vol. 2. Disponível em: <http://www.ucd.ie/tlh/trans/ws.rc.15.002.t.text.html>. Acesso em: 24 de agosto de 2017.



[1] Um montículo de pedras. Moledro. (Nota de tradução)
[2] Atual Mizen Head (ou Carn Uí Néid), no Condado de Cork. (N.T.) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário