quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Os métricos Dindshenchas: Bile Tortan

Poema/história 68
Bile Tortan

Ultan

1. Caída está a Árvore de Tortu, cujas bordas conquistaram muitas tempestades: [...] mesmo assim, eles dispersariam.

Mochuma

2. A Árvore de Tortu foi derrubada na contenda: nomeai vós entre os sábios, aquele que escreveu sobre ela! Aqui ela está, da época em que era verde até a estação de sua decadência.


Mochúa

3. Tristes estão todos os homens de Tortu, enlutados por aquela única árvore; mais querido para eles é a coisa que vêem do que todas as coisas que nos deixaram.

Croim Galma

4. Quando os homens de Tortu costumavam se encontrar em volta da conspícua e enorme árvore, as batidas das tempestades não os alcançavam, até o dia que a árvore decaiu.

Colum Cille

5. Embora agora esteja murcha, ela não teve um fim prematuro: ela esteve há muito tempo na terra: o Rei que criou sua forma a derrubou novamente.

Ultan de Tech Túa

6. Cinquenta cúbitos é a grossura da árvore que se erguia no arranjo da floresta: trezentos cúbitos, famosa contagem, era a altura completa de sua madeira.

Mochuma

7. Três marcos da Irlanda, tu vês, foram despidos de sua força: a Árvore de Ross, a poderosa Árvore de Mugna e a Árvore de Tortu dos lados vermelhos.

Mochúa

8. Profundo era o som da Árvore de Tortu na tormenta feroz da tempestade: o gemido do vento em noites invernais despedaçou muitas folhas dela.

Ultan

9. Encontra-se uma morada sobre a forte Tortu desde a época dos filhos do poderoso Míl, até sua cor desbotar e ela cair, na época dos filhos de Aed Slane.

Croin Galma

10. Um vento derrubou a Árvore – ninguém que não tenha um coração duro pôde suportar a perda – e ela esmagou três vezes cinquenta vítimas de Conaille, em sua feira.

Sinche

11. Sua velha, apesar de tu quebraste galhos de seus troncos em tua lareira, muitos nobres jovens dormiram debaixo dos brilhantes galhos dela.

Ultan de Tech Tua

12. A mulher que soltou seus nobre cachos, muitas elegantes sandálias ela afrouxou: alegremente ela riu da queda da Árvore de Tortu.

Croin Galma

13. Tudo o que o olho encontrou deve cair: eles ingressaram em uma teimosa luta: o vento não retirou sua mão até derrubar o orgulho da Árvore.

Mochúa

14. A decadência vem para todas as coisas: todos os homens do mundo vão para a morte: eles são nada mais que terra vermelha e argila sem vida, todo o povo que se reuniu ao redor da Árvore.

Ultan

15. A planície de Tortu é uma planície sem um governador desde que ela perdeu sua nobre árvore: dois terços de sua prosperidade se foram desde a queda da Árvore.

Torannán

16. A transgressão de Adão do passado arruinou os filhos do povo livre: tal é o fardo em nossa provisão desde que sua poderosa Árvore murchou.

Colum Cille

17. Desertas estão Ochan e a nobre Tlachtga, desde que Ailill, o filho de Nathí, se foi, o chefe de fortes tropas, que cavalgava por Meath: uma morte não como a de qualquer outra árvore.

Mochúa

18. Eu sou Mochúa, ordeno que Croin não se atormente excessivamente: das raízes da ilustre árvore, muitas poderosas Árvores brotarão.

Colum Cille

19. Em um certo dia de verão, eu estava no bosque das folhagens em moita, tendo uma incumbência para executar: a copa da Árvore de Tortu me deu abrigo.

Mochuma

20. Não tenho conforto, apesar dos ventos fazerem as copas das árvores do bosque sorrirem: hoje, uma solitária dona de casa quebra os galhos da Árvore de Tortu.

Ultan

21. Embora o vento tenha feito um rude divertimento com ela, ele não poderia quebrar a Árvore quando ela era jovem; mas o vento derruba tudo o que é velho: isso eu sei pela Árvore de Tortu.1

Notas de rodapé de Edward J. Gwynn

1. A recensão dos Dindshenchas, ao qual a maioria dos nossos manuscritos pertencem, parece ter originalmente parado nesse ponto. Em algumas cópias, no entanto, a lenda de Lége foi adicionada. Lc e S tem ainda os cinco poemas que seguem Lége.                     

Fonte: GWYNN, Edward J. The Metrical Dindshenchas: vol. 4. Disponível em: < http://www.ucc.ie/celt/published/T106500D/text068.html>. Acesso em: 14 de fevereiro de 2017.

Para ter a versão em .pdf, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário