quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

O porteiro disse ao nobre guerreiro


O porteiro disse ao nobre guerreiro
Ar an doirseoir ris an deaghlaoch

Foi revelado para Lugh, amante de Temuir¹,
À leste, em Emain Abhlach²,
Que ele deveria deixá-la e procurar por toda a terra
A fortaleza de Té, Temuir.

A fortaleza de pedra foi fechada em preparação para Lugh,
Um herói excelente;
Ele tocou com poder a lustrosa fortaleza de muros lisos,
Pegando a aldrava.

O porteiro disse ao nobre guerreiro,
Que era severo e rápido para a fúria:
“De qual salão veio o homem severo, jovem e alto,
Calmo, brilhante e de bochechas vermelhas?”

Para o porteiro
Disse Lugh do discurso sombrio, que não desprezava o combate,
“Eu sou um poeta de Emain Abhlach
Dos cisnes e teixos.”

“Uma coisa merecedora,” disse o porteiro de Tara,
“Uma árdua vinda até a nobre casa
Na fortaleza de pedra, é para um homem dessa arte,
Ó homem vermelho e de cores brilhantes.”

Na Casa de Meadcourt, os Filhos de Eithliu³
Então voltaram,
A característica da casa curvada, branca e brilhante
Precisava ser dita ao mensageiro.

“Devido a característica da Casa de Meadcourt –
É um belo cerco –
Não existem dois de nós que sejam versados no mesmo ofício,
Ó homem branco, feroz em guerra.”

“Muitos ofícios estão com os Tuatha Dé Danann,
Distribuidores de capas,
Você precisa de uma arte cujo conhecimento eles não estão familiarizados,
Ou acostumados.”

“Existe um artífice
Que está junto da companhia que está na casa, a hospedaria,
Que possa saltarA em uma bolha sem rompê-la?”
- uma oferta para sua recontagem.

“Nadar sobre a fraqueza
E carregar um tonel por trás do braço
São as duas artes em minha capacidade,”
Ele disse para sua declaração.

“Existem aqui em excesso, além deles,
A história recente –
E não conhecido nas artes, meu homem perceptivo,
E nem uma declaração irritada.”

Escutando o que o jovem nobre tinha dito –
Grande em fama –
O porteiro dos Tuatha Dé Danann, para dizer a eles,
Se apressou grandemente.

“Um homem está na porta,” disse o porteiro,
“Quem não tem correspondentes.
Todas as artes estão em seu poder,
O homem vermelho, marrom e gracioso.”

“Se for Lugh, amante de Fódla
Da canção dos lentos córregos,
Que está lá,” disseram os Tuatha Dé Danann,
“chegou a vez dele.”

“Tomar o prêmio do homem na porta não é fácil –
Uma causa de relutância –
Nada feito de terra ou de água
Ousa tentar.”

“Seus flancos, sua face, seu cabelo –
Os pontos principais de escolha –
Uma trindade de cores – cal branco, bronze
E cor de sangue.”

“Uma doçura de língua
Como a suave modelagem das cordas de um alaúde
Para o sono confortável
Nas mãos do artista, tocando por um tempo.”

“É ele mesmo,” disse a tropa da cidade,
“nosso chefe do amor,
O filho único de Eithne5
Um enxerto que não estava nos planos.”

“Mexa-se,” disseram os Tuatha Dé Dannan,
“porteiro de Temuir,
Até o ramo perfumado,
Até o convidado de Emain.”

“Suas pernas de ouro vermelho, o homem de todas as trocas,
As armas cinza e afiadas –
Minhas boas vindas são para elas,” disse o porteiro,
“Ó homem gentil de palmas suaves.”

“Venha para a fortaleza,” disse o porteiro,
“Deus lhe deu a vida.”6
“Não, não caminharei,”
Disse o enxerto esforçando-se o suficiente para atacar.

Na Temuir do Rei Art, até o nascer do sol -7
É um geis para a fortaleza -8
Caminhar para o forte
Quando ele é uma fortaleza.

“Eu não prejudicarei o geis
No solário de Temuir, a casa do amanhecer de armas vermelhas.”
O passo para trás foi feito,
O salto foi tomado – o muro da planície inclinada.

 Não há distância para romper uma bolha sobre um rio
Da sola do jovem guerreiro,
Um salto forte –
Das duas nobres e suaves solas nos suaves sapatos marrons.

Ele próprio então foi para a Casa de Meadcourt
Do muro alegre
Na fronteira – bifurcado e ondulado cabelo
Até a lareira de Temuir.  

Notas originais

1. Teamhra/Temuir: Teamhra, pronunciado como Tara, é o caso genitivo de Temuir. Temuir, também conhecido como Tara, era o centro real de Meath e da Irlanda. Tinha sido abandonado há muito tempo quando esse poema foi escrito.

2. Emain Abhlach: Avalon, a Ilha das Maçãs – talvez, a Ilha de Man.

3. Teach Miodhcuarta ag Macaibh Eithleann/ Na Casa de Meadcourt, os Filhos de Eithliu: Teach Miodhcuarta, a Casa de Meadcourt, era o salão de festas de Temuir. Cada grande fortaleza tinha um Meadcourt. ‘Os Filhos de Eithliu’ é outro nome para os Tuatha Dé Danann.

4. Tuaith Dé Danann/Tuatha Dé Danann: O Povo da Deusa Dana. Muitos deles foram cultuados como deuses. Quando os milesianos vieram para a Irlanda, os Tuatha Dé Danann foram para o mar e para debaixo da terra. Muitos são os reis e rainhas das colinas encantadas nas lendas irlandesas de hoje.

5. Eithni/Eithne: A mãe de Lugh, a filha de Balor, rei dos fomorianos. Seu pai era Cian, filho de Dian Cecht (o principal médico dos Tuatha Dé Danann). [Obrigado à Francine Nicholson por isso!]

6. Dia do beatha/Deus lhe deu a vida: Uma tradicional ‘boas vindas’ irlandesa.

7. Geis/geis: Uma ação que deve ser seguida ou evitada para não ser destruído ou enfraquecido. Nesse caso, Lugh está dizendo ao porteiro que Temuir poderia ser destruída se ele entrasse pela porta após o anoitecer, pois este é um geis que ninguém poderia fazer.  

Notas de tradução

A. Bolha. O termo original em inglês é bubble, que também pode significar um teto abobadado de vidro.

Fonte: Ó Dálaigh, Gofraidh Fionn. The doorkeeper said to the noble warrior. Disponível em: <http://suburbanbanshee.net/irishptr/irepoems/tabhasdo.html>. Acesso em: 10 de fevereiro de 2016. 

Para ter a versão em .pdf, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário