segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

O nascimento de Cu Chulainn

O nascimento de Cu Chulainn
Compert Con Culainn

                Dechtire, a irmã do Rei Conchobar de Ulster, fugiu junto com cinquenta outras donzelas sem o conhecimento de Conchobar e dos homens de Ulster. Nenhuma pista ou vestígio delas foram encontrados, e os homens de Ulster procuraram-nas até o fim de três anos.


                Dechtire e suas criadas vieram então até a planície de Emain Macha na forma de um bando de pássaros, e destruíram a vegetação de forma que não deixaram nem mesmo a raiz das gramas no chão. Isso aborreceu muito os homens de Ulster. Portanto, eles arrearam nove bigas para caçar os pássaros, pois a caça de pássaros era um costume deles. Entre os caçadores estavam Conchobar, Fergus mac Roig, Amergin, Blai o Hospitaleiro e Bricriu.

                Os pássaros estavam à sua frente sobre a planície de Sliab Fuait ao sul, sobre o Vau de Lethan e o Vau de Garach, e sobre a Planície de Gossa entre os homens de Ross e os homens de Arda. A noite chegou, o bando de pássaros escapou e os homens desarrearam suas bigas. Fergus procurou por um abrigo e chegou até uma casinha nova onde encontrou um casal. Eles o receberam e ofereceram comida, mas ele não podia aceitar sua hospitalidade, pois seus companheiros ainda estavam lá fora sem abrigo.

                “Venha com teus companheiros para cá e nós receberemos todos vocês,” disseram eles. Fergus então foi até seus companheiros e trouxe todos, tanto os homens quanto cavalos, de forma que todos ficaram dentro da casa (que de repente, se tornou grande e magnífica).

                Bricriu então saiu da casa e escutou Cnu Deroil. Ele escutou o som da saudosa melodia das fadas, mas não sabia o que isso significava. Ele seguiu a melodia até chegar a uma grande, nobre e adornada casa diante dele. Ele aproximou-se, e, olhando para dentro, viu o mestre da casa.

                “Entre, ó Bricriu,” disse ele, “por que está parado aí fora?”

                “Bem-vindo, de fato,’ disse uma mulher que estava ao lado do mestre da casa.

                Bricriu olhou fixamente para o belo guerreiro com o semblante nobre e perguntou, “Por que a mulher também nos recebeu?”

                “É por sua conta que te recebi,” disse o homem, “há alguém desaparecido em Emain?”

                “Na verdade, sim,” respondeu Bricriu, “cinquenta donzelas estão desaparecidas por três anos.”

                “Você reconheceria elas se as visse?” perguntou o homem.

                “Posso não reconhecê-las,” disse Bricriu, “o espaço de tempo de três anos ou alguma doença pode ter causado ignorância ou falta de reconhecimento da minha parte.”

                “Mesmo assim, tente reconhecê-las,” disse o homem. “As cinquenta donzelas que você procura estão aqui na casa, e a líder delas é essa que está aqui do meu lado. Seu nome é Dechtire, e são elas que vieram na forma de um bando de pássaros para Emain Macha, a fim de induzir os homens de Ulster a virem para cá.”

                A mulher deu um bordado manto roxo para Bricriu, e depois disso ele voltou para seus companheiros. Enquanto voltava para sua companhia, Bricriu pensou para si mesmo: “Encontrar essas cinquenta donzelas que estão desaparecidas seria um deleite para Conchobar. Portanto, vou esconder dele que encontrei sua irmã com suas criadas, apenas direi que encontrei uma casa com uma companhia de adoráveis mulheres nela.”

                Quando Bricriu chegou, Conchobar perguntou as notícias.

                “O que é isso para ti?” perguntou Bricriu. “Fui até uma magnífica casa e lá vi uma rainha nobre e radiante, querida e adorável, junto com uma companhia de mulheres nobres e puras, uma família generosa e brilhante.”

                “Vão até a casa,” ordenou Conchobar. “O mestre daquela casa é meu subordinado, pois ele mora em minhas terras. Façam com que sua esposa venha e durma comigo essa noite.”

                Ninguém iria naquela jornada, exceto Fergus. Ele então foi e disse a mensagem, ele foi bem recebido e a mulher veio com ele. Ela se queixou a Fergus que estava sentindo as dores do parto. Fergus então disse para Conchobar que um adiamento deveria ser dado a ela. Por isso, a companhia deitou-se e dormiram. Quando acordaram pela manhã, encontraram um menininho nas dobras da capa de Conchobar.

                “Leve a criança com você,” disse Conchobar para sua irmã Finnchoem. Quando Finnchoem olhou para o menininho ao lado de Conchobar, ela disse, “Meu coração ama esse menino da mesma forma que amo meu filho Conall.”

                “Na verdade, há pouca diferença entre eles,” disse Bricriu, “a criança é o filho de sua irmã Dechtire. É ela, junto com suas cinquenta donzelas, que esteve desaparecida de Emain por três anos e agora está aqui.”

                (O estranho misterioso que estava com Dechtire era Lug do Braço Longo, dos Tuatha De Danann. O bebê foi chamado de Setanta, até ele matar o cão de caça de Culann o Ferreiro, depois disso, ele ficou conhecido como Cu Chulainn, o Cão de Culann).

Fonte: Mary Jones, Celtic Literature Collective: The Birth of Cu Chulainn. Disponível em: < http://www.maryjones.us/ctexts/cuchulain1.html>. Acesso em: 01 de fevereiro de 2016.

Para ter a versão em .pdf, clique aqui.         

Nenhum comentário:

Postar um comentário