segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

O frenesi do fantasma

O frenesi do fantasma
Baile in Scáil

                Um dia Conn estava em Tara após ter derrotado os reis. De manhã cedo ele foi até o baluarte real de Tara, antes da alvorada, junto com seus três druidas Mael, Bloc e Bluicne e seus três filid [poetas] Ethain, Corb e Cesarn. Essa companhia costumava se levantar todos os dias para vigiar se os homens do sídhe [fadas; Tuatha de Dannan] tomariam a Irlanda sem ele perceber.

                Ele sempre costumava ir até o baluarte, e por acaso, pisou em uma pedra debaixo de seus pés. A pedra gritou debaixo de seus pés de forma que esse grito foi escutado por toda Tara e Brega. Conn perguntou para seus druidas por que a pedra tinha gritado, perguntou qual era seu nome, de onde tinha vindo, para onde iria e por que tinha vindo para Tara. O druida disse para Conn que não lhe diria a resposta até cinquenta e três dias terem se passado. Quando os dias se passaram, Conn perguntou novamente ao druida.

                Então o druida disse: “Fáil [destino] é o nome da pedra. Ela foi trazida da ilha de Fáil. Da terra de Fáil, ela foi colocada em Tara. Ela permanecerá na terra de Tailtiu até o Dia do Julgamento. É nessa terra que haverá uma festiva assembleia enquanto houver reinado em Tara, e o governante que não encontrá-la [ou deixá-la?] no último dia da assembleia será um homem condenado naquele ano. Fáil gritou abaixo de seus pés hoje,” disse o druida, “e profetizou. O número de gritos que a pedra proferiu é o número de reis que serão de sua raça até o Dia do Julgamento. Não serei eu que os nomearei para você,’ disse o druida.

                Eles então viram uma grande névoa ao redor deles, de forma que não sabiam para onde estavam indo devido a grandeza da escuridão que estava ao redor. Eles escutaram o barulho de um cavaleiro vindo na direção deles. “Ai de nós,” disse Conn, “se ele nos levar até uma terra desconhecida!” O cavaleiro então arremessou três lanças neles, e a última veio mais rapidamente que a primeira. “Ele irá ferir o rei,” disse o druida, “seja quem for, está atirando em Conn em Tara!” Então o cavaleiro parou com seus arremessos e foi até eles, ele deu as boas-vindas à Conn e o convidou para ir com ele até sua casa.

                Eles então seguiram até chegarem a uma planície com uma árvore dourada nela. Lá havia uma casa com uma viga de Findruine [uma liga metálica branca] com trinta pés de comprimento. Eles entraram na casa e viram uma jovem mulher com uma coroa de ouro em sua cabeça. Havia um tonel prateado com tiras de ouro diante dela, cheio de cerveja vermelha. Havia uma dourada colher grande e funda em sua borda e um cálice dourado diante dela. Eles viram o próprio scál [fantasma] na casa, diante deles em seu trono. Nunca existiu em Tara um homem com o seu tamanho ou beleza, por conta da nobreza de sua forma e a maravilha de sua aparência.

                Ele os respondeu e disse, “Não sou um fantasma ou um espectro. Eu vim por conta de minha fama entre vocês, desde que morri. Sou da raça de Adão: meu nome é Lugh, filho de Eithliu, filho de Tigernmas. É por isso que vim: para te dizer a extensão de seu reinado e de cada reinado daqueles que estarão em Tara.”

                A garota que estava sentada diante deles na casa era a Soberania da Irlanda, e foi ela que deu a Conn sua refeição: a costela de um boi e a costela de um javali. A costela do boi tinha vinte e quatro pés de extensão e oito pés entre seu arco e o chão. Quando a garota começou a distribuir as bebidas, ela disse, “Para quem esse cálice deve ser dado?” e o fantasma a respondeu.

                Quando ela havia nomeado todos os governantes até o Dia do Julgamento, eles foram até a sombra do fantasma e não viram mais a casa. O tonel, a colher dourada e o cálice tinham sido deixados com Conn. Essas são as histórias “O Sonho do Fantasma” e “A Aventura e Viagem de Conn.”

Fonte: DILLON, Myles. “The Cycle of the Kings”. Oxford: OUP 1946. Disponível em: < http://www.ancienttexts.org/library/celtic/ctexts/phantom.html>. Acesso em: 02 de fevereiro de 2016.

Para ter a versão em .pdf, clique aqui  

Nenhum comentário:

Postar um comentário