domingo, 25 de outubro de 2015

Os métricos Dindshenchas: Cnogba


Poema/história 4
Cnogba

1. Bua, a filha de Ruadri Ruad,
A esposa de Lug mac Cein das lanças vermelhas,
Lá seu corpo foi escondido;
Sobre ela, uma grande colina foi construída.

2. Bua tinha uma colina no meio de Bregia,
Onde a nobre mulher foi colocada,
Naquele lugar acolá: -
O nome daquela colina é Cnogba.
3. Mas embora o mais fácil de dizer,
De seus nomes, seja a perfeita Cnogba,
Contudo, seu modo mais apropriado é Cnocc Bui,
Que vem de Bui, a filha de Ruadri.
4. A filha de Elcmar lá habitou:
Mider era o amado da mulher:
O príncipe era o amado dela mesma,
O homem da grande e nobre Sid Midir.
5. Englec, a nobre filha de Elcmar,
Era a amada do perfeito Oengus;
Oengus, o filho do amado Dagda,
Não era o amado da donzela.
6. O ilustre Mac in Oc veio
Para Ceru Cermna ao sul
No ardente e precipitado Samain
Para jogar com seus guerreiros companheiros.
7. Mider veio – doloroso foi o dia!
Ele foi até ela quando eles haviam ido embora,
Ele tirou Englec de sua casa e a levou com ele
Para o Sid dos homens de Femen.
8. Quando o nobre Oengus ouviu falar
Da busca de sua amada,
Ele saiu em sua procura (eu digo a verdade)
Para a famosa colina onde ela nasceu.
9. Essa era a comida de seu bando – brilhante festa –
Avelãs vermelhas-sangue da floresta:
Ele jogou a comida no chão;
Ele lamentou em volta do montículo.
10. Apesar de ser chamada de Colina de Bua dos combates,
Esse é o conto contrário, válido da mesma forma:
Por conta disso descobrimos
Que Cnogba foi nomeada a partir da ‘lamentação da avelã’.
11. Juntos, está preservada por nós
A memória do poema¹,
E seja qual for o conto que vós prefirais
A partir destes foi nomeada a região de insuperável valor.
12. Existe outro conto – é conhecido para mim –
Daquela colina que Dubthach possui:
Foi feita, ainda que a façanha seja grande,
Por Bresal Bodibad.
13. Em sua época, uma praga se abateu nas vacas
Em todos os lugares da Irlanda,
Exceto sete vacas e um touro que aumentava a força
Para cada fazendeiro em sua época.
14. Por ele foi construída a sólida colina
Semelhante à torre de Nimrod,
Para que a partir dela ele pudesse passar para o céu,
- essa foi a causa dela ser feita.
15. Os homens de toda Erin vieram para fazer para ele
Aquela colina – tudo em um dia:
A pessoa exigiu deles penhores
Para o trabalho daquele dia.
16. Sua própria irmã lhe disse,
Que ela não deixaria o sol seguir seu curso;
Lá não existiria noite, apenas um brilhante dia
Até o trabalho ficar completo.
17. Sua irmã apressou-se em seu caminho
Fortemente ela fez seu feitiço druídico:
O sol ficou parado sobre sua cabeça;
Ela o colocou em um único lugar.
18. Bresal veio (o desejo se apoderou dele)
Daquela colina até sua irmã:
A tropa fez da colina uma maravilha:
Ele a encontrou em Ferta Cuile.
19. Ele foi até ela, apesar disso ser um crime,
Apesar de isso ser a violação de sua irmã:
Dessa forma a colina aqui
É chamada de Ferta Cuile.
20. Quando já não era mais dia para eles após isso
(é provável que fosse noite)
A colina não foi levada ao topo,
Os homens de Erin partiram para casa.
21. Daquele dia em diante a colina permanece
Sem adição à sua altura:
Ela não crescerá mais daquele tempo em diante
Até o dia final da destruição e julgamento.
22. Aqui é Fland – brilhante é sua arte –
Que conta essa história – não é um discurso enganoso:
Uma excelente história – espalhem-na, homens e mulheres!
Lábios, mencionem-na entre excelências!   
Notas de tradução
1. Poema. O termo original em inglês é lay, que significa um pequeno poema ou narrativa que deveria ser cantado.
Fonte: GWYNN, Edward J. The Metrical Dindshenchas: vol. 3. Disponível em: <http://www.ucc.ie/celt/published/T106500C/index.html>. A versão original em Gaoidhealg (Irlandês médio), está disponível em: <http://www.ucc.ie/celt/published/G106500C/index.html>.
 Para ter a versão em .pdf, clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário