sábado, 24 de outubro de 2015

Angus Og


Parte I, livro IV
Angus Og

                E quanto a Angus Og, o filho do Dagda, às vezes ele saía do Brugh na Boinne e deixava-se ser visto sobre a terra. 

                Foi há muito tempo após a chegada dos gaélicos que ele foi visto por Cormac, o Rei de Teamhair, e esse é o relato que ele deu.

                Um dia ele estava sozinho em seu Salão de Julgamento, pois frequentemente costumava ler as leis e pensava qual seria a melhor forma de executá-las. De repente, ele viu um jovem desconhecido e muito gracioso no final do salão e soube imediatamente que era Angus Og, pois frequentemente escutava seu povo falando dele, mas ele mesmo dizia que não acreditava que existisse tal pessoa, e quando seu povo voltou para o salão, ele lhes contou como havia visto o próprio Angus, conversado com ele, e que Angus lhe havia dito seu nome e previu o que aconteceria com ele no futuro. “E ele era um belo jovem,” disse ele, “com nobres expressões, sua aparência era mais bela que todas as belezas, e havia ornamentos dourados em suas vestes; em sua mão ele segurava uma harpa prateada com cordas de ouro vermelho, e o som dessas cordas era mais doce que todas as músicas sob o céu; acima da harpa estavam dois pássaros que pareciam estar tocando-a. Ele sentou-se ao meu lado agradavelmente e tocou sua doce música para mim, e no final, previu coisas que embriagou meu juízo.”

                Os pássaros que costumavam ficar com Angus eram quatro de seus beijos que se transformavam em pássaros e costumavam ir até os jovens da Irlanda, chorando sobre eles. “Venha, venha”, dois deles diziam, e “Eu vou, eu vou”, os outros dois diziam, e era difícil livrar-se deles. Mas quanto a Angus, mesmo quando ele estava em sua juventude, era chamado de ‘O Assustador’ ou ‘O Perturbador’, pois as juntas de boi do mundo e todo o tipo de gado que é usado pelos homens costumavam fugir com medo diante dele. Uma vez ele apareceu na forma de um proprietário de terras para dois homens, Ribh e Eocho, que buscavam um lugar para se estabelecerem. O primeiro lugar que eles escolheram era perto de Bregia, em uma planície que pertencia a Angus, e foi então que ele veio conduzindo seu cavalo em sua mão e disse que eles não deveriam parar ali, e eles disseram que não podiam carregar seus bens sem cavalos. Ele então lhes deu seu cavalo e os fez colocar tudo o que tinham em mente naquele cavalo que carregaria, e assim ele fez, mas o próximo lugar que eles escolheram era Magh Find, a Bela Planície, que era o campo de jogos de Angus e Midhir. Naquela hora, Midhir veio até eles da mesma forma e lhes deu um cavalo para colocar seus bens, e seguiu com eles até Magh Dairbthenn.

                Eram muitas as mulheres que amaram Angus e uma delas era Enghi, a filha de Elcmair, que o amou apesar de não vê-lo. Uma vez ela foi procurar por ele no encontro de jogos entre Cletech e Sidhe in Broga, e as brilhantes tropas do Sidhe costumavam vir até aquele encontro em todo entardecer do Samhain trazendo com eles uma moderada quantidade de comida, que é, uma avelã. Os filhos de Derc vieram do Sidhe Findabrach ao norte, rodearam os jovens e as jovens sem seu conhecimento e levaram com eles a filha de Elcmair. Grandes lamentações foram feitas e o lugar passou a se chamar Cnoguba, a Lamentação da Avelã, devido ao choro que teve naquele encontro.

                Derbrenn, a filha de Eochaid Fedlech, era outra que foi amada por Angus e tinha seis filhos adotivos, três meninos e três meninas, mas a mãe dos meninos, Daib Garb, a Rude, colocou um feitiço neles no encontro das avelãs de Caill Ochuid que os transformaram em porcos.

                Angus então colocou eles aos cuidados de Buichet, o hospitalário de Leinster, e ficaram um ano com ele, mas no fim desse tempo a esposa de Buichet teve o desejo de comer um pedaço da carne de um deles. Ela então reuniu uma centena de homens armados e uma centena de cães de caça para pegá-los, mas os porcos fugiram até Angus no Brugh na Boinne, que os recebeu, e eles lhe pediram sua ajuda, mas Angus disse que não poderia ajuda-los até eles sacudirem a Árvore de Tarbga e comerem o salmão de Inver Umaill.

                Eles então foram até Glascarn e ficaram um ano se escondendo com Derbrenn. Eles então sacudiram a Árvore de Tarbga e seguiram em direção a Inver Umaill, mas Maeve reuniu os homens de Connacht para caçá-los, e todos eles morreram, exceto um, e suas cabeças foram colocadas em um monte que ganhou seu nome por isso: Duma Selga, o Monte da Caça.

                Isso aconteceu na época de Maeve de Cruachan, quando Angus se apaixonou por Caer Ormaith da província de Connacht e a levou para o Brugh na Boinne.

Fonte: GREGORY, Lady Augusta. Gods and Fighting Men: The Story of the Tuatha De Danann and of the Fianna of Ireland. 1904. Disponível em: <http://www.sacred-texts.com/neu/celt/gafm/gafm13.htm>.                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário