terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Um canto de Inverno


Um canto de Inverno 

"Mac Lesc, filho de Ladan, um gordo vadio da casa de Finn, foi quem cantou as quadras abaixo. Aconteceu que, em uma noite, ele e Finn se separaram de seus companheiros de guerra no menir de Colt, em Slieve Guillion, quando Finn o enviou para buscar água para eles. Ele então disse que não poderia ir buscar água:

Fria, fria!
Fria esta noite é a ampla Moylurg,
A neve está mais alta que a extensão da montanha,
O veado não consegue ter sua comida.

Frio até o último dia!
A tempestade se espalhou sobre tudo,
Cada rio é um sulco sobre a encosta,
Cada vau, uma poça cheia.

Cada lago é um grande mar de marés,
Um grande lago é cada poça:
Os cavalos não conseguem atravessar o vau de Ross,
Não mais que dois pés podem pisar lá.

Os peixes da Irlanda estão perambulando,
Não há costa em que as ondas não soquem,
Não há uma cidade na terra,
Não se ouve bramir, nenhuma grua conversa.

Os lobos do bosque de Cuan
Não tem descanso nem sono em suas tocas,
A pequena carriça não consegue achar
Abrigo em seu ninho na encosta de Lon.

Vento agudo e frio gelo
Irromperam sobre a pequena companhia de pássaros,
O melro não consegue um sotavento de seu gosto,
Abrigo por esse lado no bosque de Cuan.

Aconchegante é a nossa panela em seu gancho,
Louca é a cabana na encosta de Lon:
A neve achatou as árvores aqui,
Trabalhoso é escalar Ben-bo.

O antigo pássaro de Glenn Rye,
Pelo amargo vento sente dor;
Grande é sua miséria e sua dor,
Gelo entrará em sua boca.

Do rebanho, de baixo para se erguer -
Leve isto ao coração! - é loucura para ti:
Gelo em montes em cada vau -
É por isso que digo 'frio'."

Fonte: MEYER, Kuno. Four Old-Irish Songs of Summer and Winter. Londres, 1903. Disponível em: <http://www.maryjones.us/ctexts/season-winter1.html> 

Nenhum comentário:

Postar um comentário